Artigo do fr. Bento Domingues, op


Mulheres Católicas em Greve

 

1. As mulheres sabem que são mais de metade da Igreja católica. Dir-se-á que apenas uma minoria feminista protesta contra o silenciamento que lhes é imposto. Na Igreja, as mulheres que se calem! Não foi nenhuma mulher que o disse e quem o afirmou ainda não tinha passado inteiramente para o Novo Testamento (NT).   Foi apresentado, na UCP, o livro Mulheres diáconos. Passado – Presente – Futuro. Como refere a Introdução, o livro apresenta três tópicos interligados: as mulheres diáconos tal como elas são conhecidas através de documentos históricos; o diaconado, tal como se tornou uma vocação permanente na Igreja contemporânea e aquilo que o futuro das mulheres diáconos poderia vir a ser, se a Igreja restabelecesse a sua tradição de ordenar mulheres para o diaconado. Trata-se de um esforço conjunto que pretende ajudar a Igreja a recuperar a sua tradição passada como meio de construir o seu futuro.   É sabido que o Papa João Paulo II († 2005) nada fez para restaurar o diaconado ordenado das mulheres e o ex-Papa Bento XVI seguiu-lhe o exemplo.   Só em 2016 é que o Papa Francisco começou a agir, convocando uma Comissão de especialistas, seis homens e seis mulheres, para enfrentar esta questão. No final, entregaram um relatório ao Papa Francisco. O principal objectivo da Comissão era estudar as mulheres diáconos na Igreja primitiva. Não está em dúvida a existência de mulheres diáconos. A questão gira em torno das suas funções.   No voo de regresso da viagem apostólica à Bulgária e à Macedónia do Norte (07. 05. 2019), o Papa revelou, com algum humor, que a comissão trabalhou durante quase dois anos. Eram todos diferentes, todos «rãs de lagos diferentes», todos pensavam de forma diferente, mas trabalharam juntos e chegaram a acordo até um certo ponto. Mas, cada um deles tem a sua própria visão, que não concorda com a dos outros, e pararam aí como comissão. Cada um está a estudar como prosseguir. Isso é bom! Varietas delectat. A variedade deleita, mas não deve servir para passatempo de diletantes. As mulheres católicas, na Alemanha, já não suportavam mais conversa vazia e resolveram entrar em greve. Foi convocada para esta semana, entre sábado passado, dia 11, e o próximo, dia 18 de Maio. Deixaram lenços brancos nos bancos das Igrejas e, no exterior, nas praças e nos adros, houve celebrações, partilha, canto, mulheres vestidas de branco.   Com todas as cautelas eclesiásticas, o porta-voz da Conferência Episcopal Alemã, Mathias Kopp, em declarações a uma cadeia de TV, em Roma, já acusou o toque. Veremos o que irão fazer…   Os bispos alemães anunciaram que vão abrir um sínodo de diálogo com alargada participação de todos e todas, sem temas-tabu. Veremos, como diz o cego.   2. Na história da Igreja, desde o NT, há sempre que investigar, mas não é preciso esperar o fim do mundo para decidir. S. Paulo esperava-o para muito breve. As comunidades cristãs, na sua variedade, sentiram que este mundo é o lugar de testemunhar e seguir o caminho aberto por Jesus de Nazaré. Daí surgiram as narrativas de S. Marcos, S. Mateus, S. Lucas e S. João. São razoavelmente diferentes, reflectindo situações diversas, mas todas com o mesmo objectivo: o seguimento criativo de Jesus em todas as situações da vida.   Quando, na Eucaristia, se diz Fazei isto em memória de Mim, não é porque Jesus tivesse receio de ser esquecido. Significa, pelo contrário, continuai o Evangelho. O Pentecostes indica, precisamente, não fiqueis a olhar para o ar, ide por todo o mundo e inventai o futuro na linha inaugurada pelo Nazareno, porque o espírito dele e o dos discípulos é o mesmo, igualmente criativo. Quando, hoje, se discute o lugar das mulheres, na Igreja católica, o que é preciso ter em conta, em primeiro lugar, é a criatividade de Jesus. Para isso é necessário pensar na situação social e religiosa da mulher, quando Ele entra em acção. A expressão usada pelas narrativas evangélicas, nos momentos solenes, dizia tudo em poucas palavras: não contando mulheres e crianças. Estavam lá, mas não contavam. O facto de não falarem delas, na chamada Última Ceia, não significa, necessariamente, que não tivessem participado. Naquela cultura, elas não contavam. Diz-se, por outro lado, que nunca são chamadas discípulas, no entanto, o vocabulário da realidade do discipulado é-lhes aplicado, muito mais do que aos homens. No Evangelho de Marcos é dito que junto da cruz “também ali estavam algumas mulheres a contemplar de longe, entre elas, Maria de Magdala, Maria, mãe de Tiago Menor e de José, e Salomé, que o seguiam e serviam quando ele estava na Galileia; e muitas outras que tinha subido com Ele a Jerusalém”.    3. Seguir e servir é o vocabulário dos discípulos, dos Doze: “Nós seguimos-te”. Implicava deslocar-se com o mestre nas tarefas da evangelização, algo impensável na sociedade em que Jesus cresceu. Quando Marcos diz que as mulheres, que estavam ao pé da cruz, seguiam Jesus, é porque faziam parte do grupo itinerante dos seus discípulos. Seguiram-no desde a Galileia até Jerusalém. Não para executar as tarefas tradicionalmente atribuídas às mulheres, mas para entrarem na sua escola, acolhendo os seus ensinamentos. Elas não podiam estudar a Palavra de Deus. Alguns rabinos diziam que era preferível queimar o livro da Lei a entregá-lo à guarda de uma mulher; quem ensina a Lei à sua filha, ensina-lhe obscenidades; todos os males que existem no mundo entram pelo tempo que os homens perdem a falar com as mulheres.   No Evangelho de Lucas, afirma-se que “Jesus ia de cidade em cidade, de aldeia em aldeia, proclamando e anunciando a Boa-Nova do reino de Deus, acompanhavam-no os Doze e algumas mulheres que tinham sido curadas de espíritos malignos e enfermidade: Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demónios; Joana, mulher de Cuza, administrador de Herodes; Susana, e muitas outras, que os serviam com os seus bens”. Note-se como o evangelista coloca os Doze e as mulheres num mesmo nível, uma vez que une os dois grupos com a conjunção “e”, que serve para os igualar.   Isto sem falar que, quem evangelizou os Doze, depois da sua traição e da Ressurreição de Cristo, foram as mulheres, a começar por Maria Madalena, segundo os quatro evangelistas.   Quando, hoje, se estuda a história para saber o lugar das mulheres na Igreja, esquece-se o essencial: a revolução de Jesus, a memória da sua intervenção que, ainda hoje, entendemos mal.     Fr. Bento Domingues in Público, 19/5/2019 _____________   [1] Gary Macy, William T. Ditewig, Phyllis Zagano, Mulheres diáconos. Passado – Presente – Futuro, Paulinas Editora, 2019. [2] Cf. 7Margens, 14.05.2019 [3] Mc 15, 40-41 [4] Mc 10, 28 [5] Cf. Ariel Álvarez Valdés, Jesus teve discípulas mulheres, in Bíblica 382 (Maio-Junho 2019), 387-392. [6] Lc 8, 1-3 [7] Cf. A. Cunha de Oliveira, Jesus de Nazaré e as mulheres, Instituto Açoriano de Cultura, Angra do Heroísmo, 2011; José António Pagola, Jesus. Uma abordagem histórica, Gráfica de Coimbra, 2008, cap. 8 Amigo da Mulher
19/05/2019

Exprima a sua opinião

* campos obrigatórios (o endereço de e-mail NÃO será publicado)

Autor*

email*

url

Observações*

Código*